top of page

O que significa "quiet quitting"?


Nos últimos anos tivemos que lidar com uma pandemia mortal, uma economia ruim, a dizimação de nossas liberdades civis e o lento colapso da democracia.

O que está acontecendo é que pessoas da classe trabalhadora cansadas, sobrecarregadas e esgotadas estão recusando empregos e condições de trabalho que são inadequadas para nós.


O mais recente desses atos de resistência é o chamado “quiet quit”: o termo recém-criado para quando os trabalhadores fazem apenas o trabalho para o qual estão sendo pagos, sem assumir nenhuma tarefa extra ou participar de atividades extracurriculares no trabalho.

Ganhando popularidade em resposta ao esgotamento induzido pela pandemia, a desistência silenciosa definitivamente está tendo um momento; especialmente entre os jovens que, de muitas maneiras, sofreram com o pior desses tempos surreais.


E tudo isso é ótimo, exceto que “desistir em silêncio” não é uma coisa… pelo menos não deveria ser. A noção de demissão silenciosa sugere uma norma em que as pessoas precisam realizar tarefas extras, muitas vezes indesejáveis, fora da descrição de seu trabalho, e onde não fazer esse trabalho adicional é considerado uma forma de “se demitir” de seu emprego.


Desistência silenciosa: por que fazer o mínimo no trabalho se tornou global?


Forçar os funcionários a fazer esse trabalho extra não remunerado é errado, mas o debate em torno da “desistência silenciosa” também levanta questões importantes sobre quem está realmente fazendo grande parte desse trabalho não remunerado. As mulheres, por exemplo, são desproporcionalmente solicitadas e esperadas para assumir trabalhos que ninguém mais quer fazer, como planejar a festa do escritório, atender aquele cliente demorado, acompanhar os aniversários dos funcionários e assim por diante, de acordo com o livro The No Club: Putting a Stop to Women’s Dead-End Work.


Por outro lado, “é muito fácil para os homens dizerem não, porque não há consequências”, disse a coautora Lise Vesterlund ao Boston Globe.

As mulheres racializadas suportam o peso desse trabalho extra, com estudos mostrando que as mulheres negras fazem mais “trabalho doméstico” no escritório e têm menos acesso ao “trabalho glamouroso” (ou seja, trabalho que faz você ser notado por superiores e pode levar à sua próxima promoção) do que os homens brancos.

Essas mesmas mulheres negras também são mais propensas a sofrer de burnout e são menos propensas a se sentir à vontade para falar sobre sua saúde mental no local de trabalho do que suas contrapartes brancas. E é aí que reside a cruel ironia da desistência silenciosa; as pessoas com maior probabilidade de serem esgotadas são também as pessoas com menor probabilidade de se sentirem no direito de um adiamento como desistir silenciosamente.


Propaganda

A liberdade de reduzir seu investimento no trabalho e não se preocupar com a segurança de seu emprego é um privilégio em si, e um privilégio que muitas pessoas de identidades marginalizadas não sentem que podem desfrutar, mesmo quando as culturas de trabalho mudam.

A outra desvantagem dessa resistência silenciosa é que há algo a ser perdido em apenas entrar e sair do trabalho. Muitas pessoas realmente gostam de contribuir para sua cultura de trabalho fora das entregas.

Reduzir sua participação no trabalho ao mínimo de seus deveres delineados significa que você não assume mais do que deveria, mas também significa que você perde muitas das coisas que podem tornar um local de trabalho enriquecedor em primeiro lugar; organizando eventos sociais, lembrando os aniversários das pessoas, trazendo guloseimas em ocasiões especiais.

Ainda assim, as pessoas não deveriam trabalhar mais do que deveriam. E apenas fazer o trabalho pelo qual você é pago deve ser o padrão, não um ato de motim.

A maior adesão de empresas e trabalhadores ao trabalho híbrido ou remoto trouxe novos desafios.

Como realizar os treinamentos a distância?

Esse é um caminho sem volta, a tecnologia está aí para ser usada e permite facilmente este tipo de treinamento remoto, quem não acompanhar a tendencia ficará para trás.

Os jovens entrantes no mercado de trabalho buscam o maior número de benefícios e tendem a recusar trabalhos que exigem uma carga horária 100% presencial.


Como controlar as horas trabalhadas nos modelos híbridos e remoto?

A melhor maneira de realizar o controle das horas trabalhadas remotamente é com um sistema de ponto mobile, que além de permitir uma considerável redução de custos em comparação direta com outros modelos de controle de ponto, é seguro, não é suscetível a fraudes e está amparado pela portaria 671 do Ministério do Trabalho e Previdência.

A Smart Ponto é especializada em Sistemas de controle de ponto e acesso.

Estamos localizados em Belo Horizonte – MG e representamos as melhores marcas do mercado com preços e condições que apresentam o melhor custo-benefício.

Soluções completas em sistemas de controle de ponto, catracas de acesso, relógio de ponto homologado, ponto biométrico e relógio de ponto mobile.

Clique aqui e peça uma demonstração.

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page